Sítios Geológicos

 

Sitios Geológicos em Volta Redonda

  Estudos Geológicos  

Essas pesquisas são feitas a mais de dez anos na região, formada por rochas sedimentares de aproximadamente 50 milhões de anos, que contam a história de formação do Vale do Paraíba. Segundo Limeira, não apenas Volta Redonda, como também outras cidades ao longo do Médio Paraíba do Sul, como Resende, Itatiaia, Taubaté, entre outras, foram construídas sobre rochas sedimentares. “Este tipo de terreno é mais propício à ocupação, por apresentar um relevo mais plano e suave, o que indica também o tipo de formação rochosa. Já as rochas metamórficas e magmáticas, por sua vez, apresentam um relevo mais acidentado”, explica o professor, apontando também que estas são formadas no interior da Terra, ao contrário das sedimentares. “Devido à sua formação na superfície, a rocha sedimentar – como arenitos, folhelhos e conglomerados – representa antigas condições ambientais que prevaleciam em determinada região em determinado tempo geológico”, esclarece. 
         No caso da Bacia de Volta Redonda, Limeira conta que a área foi deprimida tectonicamente e a partir de então passou a acumular materiais sedimentares, como arenitos e argilitos. “No afloramento no Vale da Colina, percebemos camadas de composições litológicas diferentes, que contam uma história de sedimentação fluvial e de movimentação tectônica. Pelo registro geológico, percebemos que a região já sofreu abalos sísmicos, do mesmo modo que há aproximadamente 50 milhões de anos possuía um expressivo sistema fluvial”, aponta o professor, destacando na região a existência de um tipo de cascalho de formato bem arredondado, chamado de ovo-de-arigó pela população local, típico de canais fluviais. 
         Segundo o especialista, a sedimentação na Bacia de Volta Redonda apresenta uma espessura estimada em torno de 100 a 200 metros, sendo a principal área, pelo seu tamanho, chamada Graben de Casa de Pedra, que fica no bairro de mesmo nome. “Do ponto de vista geológico, pode-se dividir Volta Redonda em dois setores sedimentares: a região da Casa de Pedra e a área urbana da cidade, que ocupa boa parte da Bacia”, disse o pesquisador, que completa: “Por Volta Redonda ter se expandido antes do estudo geológico, muita informação foi destruída ou está ocultada por construções, uma vez que os primeiros estudos geológicos de mais detalhe na região foram feitos apenas na década de 70, pelo professor Elmo Amador, do Instituto de Geociências da UFRJ”, explica destacando que, desde a década de 90, a UFRJ retomou os estudos na região. 
         Claudio Limeira esclarece que o conhecimento da geologia dessas áreas é em função de exposições naturais ou construídas pelo homem. “Geralmente o início do estudo dessas áreas se dá por cortes de estrada, de barrancos de rio, escavações para construção de residências, entre outros meios que expõem o terreno. Essa é a vantagem da urbanização na Bacia de Volta Redonda. Por outro lado, há o problema da cobertura dessas áreas com cimento ou grama, porque esse material sedimentar na região é muito friável, desmorona com a erosão superficial”, afirma o especialista. 

O primeiro Painel no sul do estado

        “O projeto procura parceria nas universidades, convidando-as a indicar locais que possuem aspectos geológicos importantes que merecem ser preservados por seu caráter didático, científico e cultural”, afirma Limeira, lembrando que foi desta forma que o afloramento sedimentar na Bacia de Volta Redonda chegou ao conhecimento do DRM-RJ. Nessa região ele e Renato Cabral Ramos, pesquisador e professor adjunto do Departamento de Geologia e Paleontologia do Museu Nacional da UFRJ, desenvolvem pesquisas.
         O pesquisador conta que existem ao menos cinco sítios de importância geológica em Volta Redonda, dos quais o afloramento no Vale da Colina integrava a relação de pontos de estudos conhecidos por seus alunos de graduação. “Como havia um projeto de instalação de uma praça no local, a prioridade foi dada a este afloramento sedimentar na indicação de pontos de interesse geológico para o DRM-RJ. Entramos então em contato com o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano da Prefeitura de Volta Redonda (IPPU), apresentando a importância didática e científica do afloramento para estudantes e pesquisadores de geologia. Apesar da existência de um projeto de cobertura do corte com grama, a Prefeitura aceitou incorporar à praça a preservação daquela estrutura sedimentar”, relembra Limeira.
         Atualmente, a praça chamada Carombert Rocha Maia está construída e aberta à comunidade, que terá palestras a respeito da história geológica de Volta Redonda. “O painel do projeto ‘Caminhos Geológicos’ já foi colocado, explicando que o afloramento também é um patrimônio. A própria associação de moradores do bairro solicitou à Universidade e ao DRM-RJ as palestras que vamos realizar no bairro sobre a história e a evolução geológica da região, para que a comunidade entenda exatamente a importância do monumento geológico que está sendo preservado”, disse o pesquisador.
        Limeira ainda destaca que este é o primeiro sítio geológico incorporado a uma estruura urbana. “Esse aspecto é bastante interessante, pois ao mesmo tempo em que a população utiliza a praça para o lazer e para o convívio social, está diante de um patrimônio geológico antes desconhecido. É necessário, porém, o acesso à informação, como o painel e as palestras, para que as pessoas criem a consciência de que não se trata apenas de um ‘barranco’, pois, a partir do momento que foi identificado como um sítio geológico, é um registro histórico que deve ser preservado”, finaliza o especialista.

 

Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Volta Redonda

Rua: José Harmito de Sá, nº. 25 - 1º, 2º e 3º andar - Aterrado - CEP: 27215-310

Tel.: (24) 3339-9090 / (24) 3339-9267 / Fax: (24) 3339-9085