Antes oferecida em outros municípios, dispensação dos dispositivos auxiliares de locomoção passa a acontecer no Sul Fluminense

Em um clima de felicidade e com sentimento de gratidão, oito pacientes do Centro Especializado em Reabilitação (CER III) de Volta Redonda receberam nesta quarta-feira, dia 8, as primeiras próteses entregues pelo centro, desde sua criação. Outros sete pacientes vão receber suas próteses nesta quinta-feira (9), quando também será feita uma avaliação para outra prótese. Dentre os beneficiados, estava o aposentado João de Sousa Pinto, de 68 anos, morador do bairro Jardim Cidade do Aço.

“Uso a mesma prótese há uns 33 anos e ela é pesada, costuma machucar, criar uns calos. Vai ser bem melhor com a nova”, contou João, que teve parte da perna amputada em um acidente com trem.

Anteriormente, as próteses só eram disponibilizadas pelo SUS (Sistema Único de Saúde) em outras cidades como Niterói e Rio de Janeiro, na Região Metropolitana. A partir de agora, os pacientes do CER III, que atende Volta Redonda e outros 11 municípios do Médio Paraíba, passarão a receber suas próteses aqui no município. É o caso da estudante Maria Laura Machado da Silva, de 16 anos, moradora do município de Quatis.

“Melhorou muito, porque quando era no Rio, era muito difícil, saía às 3h da manhã. Muitas vezes a prótese escangalhava, o pezinho quebrava, era difícil para trocar, e a prótese dela está pequena, machucando. Agora, vir receber aqui foi uma benção”, contou emocionada Lucineia Aparecida Machado, mãe da Maria Laura.

No total serão entregues 15 próteses dos tipos transtibial, transfemural e de coto curto, além um paciente que passará por avaliação para prótese para desarticulação e joelho.

“É uma prótese de ótima qualidade, a empresa que ganhou a licitação é uma referência internacional na dispensação de próteses. Nesse primeiro momento, a gente escolheu 16 pacientes até para que a empresa entenda o processo todo. Em fevereiro do ano que vem, vamos abrir avaliação para 60 usuários, tanto de Volta Redonda quanto dos outros municípios. A gente espera que até a metade de 2022 a gente consiga zerar toda a fila de espera”, explicou o coordenador do CER III, Vladimir Lopes de Souza.

Todo o material é custeado com verba que o município de Volta Redodna recebe para dispensar esse tipo de dispositivos auxiliares de locomoção. Segundo a secretária municipal de Saúde, Maria da Conceição de Souza Rocha, Volta Redonda é uma cidade credenciada para dispensar esse tipo de dispositivo.

“Essa dispensação é importante para o município, porque vai facilitar a habilitação de Volta Redonda na atividade da futura oficina ortopédica. Desde que assumimos o CER, uma das metas foi trazer essa dispensação para Volta Redonda e agora, vamos continuar trabalhando para atender todas as demandas em atraso. É um marco para a saúde do município e da região”, concluiu a secretária.

 

Foto: Divulgação Secom/PMVR