Doses foram distribuídas nas unidades: Siderlândia, 249, Conforto, Água Limpa 2, São Geraldo, Vila Rica/Tiradentes, Jardim Paraíba, Açude 1, Retiro 2, Vila Brasília, Vila Mury, Volta Grande, Santa Cruz, Santo Agostinho

A Prefeitura de Volta Redonda, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), recebeu nessa segunda-feira (27), cinco mil doses de vacina contra o vírus Influenza – causador da gripe. A secretaria, no entanto, ressalta que as doses estão sendo priorizadas para quem ainda não se vacinou contra a doença este ano.

As doses foram distribuídas na manhã desta terça-feira, dia 28, nas seguintes unidades: Siderlândia, 249, Conforto, Água Limpa 2, São Geraldo, Vila Rica/Tiradentes, Jardim Paraíba, Açude 1, Retiro 2, Vila Brasília, Vila Mury, Volta Grande, Santa Cruz, Santo Agostinho, das 08h às 16h.
As unidades dos bairros: 249, São Geraldo, Vila Mury e Volta Grande funcionam com horário estendido até as 21 horas. Já as unidades: Siderlândia, Jardim Paraíba, Vila Rica/Tiradentes, Açude 1, Santo Agostinho e Santa Cruz até as 18 horas.

Com a vacinação, a prefeitura pretende diminuir os casos de doenças respiratórias, que tem provocado aumento significativo na demanda por atendimentos nas unidades básicas de saúde e na rede de urgência do município.

Idosos acima de 60 anos, crianças entre seis meses e cinco anos de idade, gestantes, puérperas e imunossuprimidos – que ainda não se imunizaram– têm prioridade na vacinação. A vacina contra a gripe é dose única sendo feita anualmente. O Ministério da Saúde suspendeu o intervalo de aplicação entre as vacinas de Influenza e da Covid-19, as doses podem ser feitas no mesmo dia.

O coordenador da Vigilância em Saúde de Volta Redonda, médico sanitarista Carlos Vasconcellos, explicou que a vacina contra a Influenza não é especifica para a nova cepa do vírus que circula no estado – identificada como H3N2– mas a vacinação garante alguma proteção.

“A vacina contra a Influenza confere alguma proteção, mas não é específica para H3N2. A cepa do vírus que circula no estado é uma mutação que não era comum, só tinha sido verificada na Austrália. Especialistas em saúde recomendam a vacinação que temos atualmente e pesquisadores já estão produzindo um imunizante especifico para essa nova variante. Além da vacina, a população deve manter os cuidados de proteção: uso de máscara, higienização das mãos, ou seja, as mesmas ações feitas contra a Covid-19”, disse o médico sanitarista.

Vasconcellos ainda pontuou que a Vigilância em Saúde de Volta Redonda tem registrado mil casos de síndrome gripal por dia, na rede pública e privada. Entretanto, segundo o médico, apesar do aumento nos atendimentos não houve avanço no número de internações por síndrome respiratória grave. Até o momento, um óbito foi confirmado por H3N2 e outro está sendo investigado.

“Os sintomas da Influenza A (H3N2) são muito parecidos com os da Covid-19. Para o diagnóstico preciso é necessário fazer o teste contra o coronavírus, através de um exame de RT-PCR ou antígeno – disponibilizados gratuitamente na rede pública. A maioria dos casos registrados é de pessoas com sintomas leves de Influenza, sem ocorrência de aumento de internações apenas de atendimentos ambulatoriais”, comentou.

 

Foto: Arquivo/PMVR