Temporal acompanhado de rajadas de ventos, que chegaram a 40 km/h, derrubou árvores e abalou estruturas de imóveis

A Defesa Civil está nas ruas de Volta Redonda nesta terça-feira (28), vistoriando locais atingidos pelas chuvas que atingiram a cidade na tarde de segunda (27). O temporal, típico de verão, estava acompanhado de rajadas de ventos que atingiram cerca de 40 km/h. Houve também queda de granizo. Por causa da chuva, bairros ficaram sem energia elétrica por algumas horas. Ao todo, 33 ocorrências foram registradas pela Defesa Civil - 14 delas entre a noite de segunda e a madrugada desta terça-feira. Entre elas, estão: queda de árvores em vias públicas, destelhamento de casas e abalo de estruturas. Apesar dos estragos, não houve feridos.

De acordo com o coordenador de Defesa Civil da cidade, Rubens Siqueira, o objetivo do trabalho nas ruas é zerar as ocorrências e se preparar para novas precipitações, já que existe a previsão de chuva para a tarde desta terça-feira.
“Está tudo dentro da normalidade para o período. Até o dia 31 de março existe a possibilidade de chuva todos os dias, à tarde. Por este motivo estamos no período de Alerta de Verão, onde a Defesa Civil e toda a estrutura do Poder Executivo Municipal conta com um plano de resposta às ações de natureza hídrica, geológica, química e humana. Até o fim da manhã, pretendemos zerar as ocorrências, fazer a limpeza de bueiros, bocas de lobos e a desobstrução de vias públicas para estarmos preparados para as chuvas”, frisou Rubens.

O coordenador lembrou ainda, que normalmente os temporais que atingem Volta Redonda são provocados por massas de ar que se deslocam do Sul do país e que os técnicos da Defesa Civil têm observado os boletins meteorológicos diários, assim como a concentração de nuvens e a velocidade dos ventos.

Rubens finalizou dando dicas de segurança para as pessoas.

“Todos devem evitar trafegar e transitar durante as chuvas. Durante temporais, procure se abrigar em locais seguros como pontos comerciais e shoppings; nunca debaixo de árvores. Outra prática que não se deve adotar neste período é o de realizar capinas, escavações e obras em locais de risco, assim como construções próximas de córregos e rios”, alertou.

Para situações de emergência. O telefone da Defesa Civil é 199.

 

Foto: Secom/PMVR