Criado em 2016, serviço executado por equipe da Guarda Municipal, atende mulheres em situação de violência doméstica e familiar

A Patrulha Maria da Penha fez 571 atendimentos encaminhados pelo Juizado Especial de Violência Doméstica da Comarca de Volta Redonda durante o ano de 2021. A equipe é formada pela inspetora Wilma e o guarda Oscar, ambos da Guarda Municipal de Volta Redonda (GMVR) e baseados na Secretaria Municipal de Políticas para Mulheres e Direitos Humanos (Smdh), no bairro Nossa Senhora das Graças.

O programa consiste na realização de visitas periódicas às residências de mulheres em situação de violência doméstica e familiar, a fim de verificar o cumprimento das medidas protetivas de urgência previstas na Lei Maria da Penha, além de ter objetivo de reprimir eventuais atos de violência.

De acordo com a inspetora Wilma, o trabalho com as assistidas é feito em parceria com a Smdh, que oferece assistências psicológica, jurídica e social. “Iniciamos o atendimento, oferecendo a segurança necessária que a situação exige, e a secretaria completa com o que for preciso”, explicou ela.

Para que o trabalho seja feito de forma eficaz, Volta Redonda foi dividida em cinco regiões, sendo que a Patrulha Maria da Penha do município também prestar atendimento a mulheres em situação de perigo nas cidades vizinhas. O balanço de todo serviço executado pela equipe em 2021 apontou os locais onde as ocorrências de violência contra a mulher são mais frequentes (veja mais abaixo).

Cidade pioneira

A Patrulha Maria da Penha de Volta Redonda foi implantada em outubro de 2016, pelo atual secretário municipal de Ordem Pública (SEMOP), tenente-coronel Luiz Henrique Monteiro Barbosa, que na época comandava a Guarda Municipal. “Fomos pioneiros na defesa das mulheres vítimas de violência doméstica e mostramos que esse é o caminho certo, pois a própria Polícia Militar hoje tem uma Patrulha Maria da Penha”, analisou.

Ainda de acordo com o secretário, o serviço protege a mulher da violência doméstica e familiar, garantindo que as medidas protetivas sejam aplicadas. “Também oferece acompanhamento para evitar que a isso não persista e, hipoteticamente, uma prática delituosa não termine em fatos contundentes. Por isso, vamos fortalecer ainda mais a nossa Patrulha Maria da Penha”, anunciou Luiz Henrique.

Número de atendimentos divididos por região em 2021

Zona Norte – 183 atendimentos (Aero Clube, Barreira Cravo, Belo Horizonte, Candelária, Dom Bosco, Niterói, Pinto da Serra, Retiro, São João Batista, São Luiz, Santa Cruz, Santa Cruz II, Santa Rita do Zarur, Vila Brasília, Vila Mury e Voldac).
Zona Leste – 149 atendimentos (Água Limpa, Brasilândia, Santo Agostinho, Três Poços, Vila Americana e Vila Rica).
Zona Oeste – 116 atendimentos (Açude, Belmonte, Conforto, 249, Eucaliptal, Jardim Belmonte, Jardim Europa, Jardim Padre Josimo Tavares, Jardim Suíça, Minerlândia, Ponte Alta, Rústico, Santa Rita de Cássia, São Cristóvão, São Lucas, Santa Inez e Siderlândia).
Zona Central – 62 atendimentos (Centro, Aterrado, Bela Vista, Jardim Amália, Jardim Paraíba, Laranjal, Monte Castelo, Nossa Senhora das Graças, São João, Sessenta, Vila Santa Cecília e Vila São Geraldo).
Zona Sul – 52 atendimentos (Casa de Pedra, Jardim Belvedere, Roma e Siderópolis).
Outras Cidades – 07 atendimentos.

 

Foto: Divulgação/PMVR